Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 28 de março de 2011

A carta da Terra...


A Carta da Terra é uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade global no Século que seja justa, sustentável e pacífica. A mesma procura inspirar em todos os povos um novo sentido de interdependência e de responsabilidade compartilhada para o bem-estar da família humana e do mundo em geral. É uma expressão de esperança e um chamado a contribuir para a criação de uma sociedade global no âmbito de uma conjuntura histórico-crítica. A visão ética inclusiva do documento reconhece que a proteção ambiental, os direitos humanos,o desenvolvimento humano eqüitativo e a paz, são interdependentes e indivisíveis.
Isto fornece um novo marco com relação à maneira de pensar sobre estes temas e de como abordálos. O resultado também inclui um conceito mais amplo sobre o que é o desenvolvimento sustentável.

Qual é a origem e a história da Carta da Terra? Em 1987, a Comissão Mundial das Nações Unidas para o Ambiente e Desenvolvimento fez um chamado para a criação de uma carta que tivesse os princípios fundamentais para o desenvolvimento sustentável. A redação da Carta da Terra foi um dos assuntos não concluídos da Cúpula da Terra no Rio em 1992. Em 1994 Maurice Strong, Secretário Geral da Cúpula da Terra e Presidente do Conselho da Terra e Mikhail Gorbachev, Presidente da Cruz Verde internacional,lançaram uma nova Iniciativa da Carta da Terra com o apoio do Governo dos Países Baixos. A Comissão da Carta da Terra foi formada em 1997 para supervisar o projeto e estabeleceu-se a Secretaria da Carta da Terra no Conselho da Terra na Costa Rica.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Projeto Bicho Amigo


Foi entregue nesta terça-feira, 22, a unidade móvel II do Projeto Bicho Amigo, implementada pela prefeitura (Porto Alegre), por meio da Coordenadoria Multidisciplinar de Políticas Públicas para os Animais Domésticos (Comppad). O ato ocorreu no Largo Glênio Peres com a presença do prefeito José Fortunati e da primeira-dama, Regina Becker. (fotos) (vídeo)

Na ocasião foi assinada a cedência de uso do ônibus doado pela Carris, que tem como objetivo transportar animais domésticos de vilas populares da Capital para as clínicas de esterilização.


O ônibus foi adaptado com compartimentos para cães e gatos e gabinete, e possui acomodações para atendimentos emergenciais, durante o transporte à clínica veterinária. Os animais atendidos, principalmente oriundos das vilas que são remanejadas na Capital, receberão vermífugo e microchip com dados de identificação do proprietário.

O prefeito destacou a importância da parceria com as ONGs, protetores de Porto Alegre e com o Ministério Público. “Nós somos responsáveis pelos animais que estão na rua, o ser humano não cuida de forma adequada e não cuida do meio ambiente na sua plenitude”. Aos que criticam as ações de políticas públicas voltadas ao bem estar animal o prefeito salientou: “Não podemos ser excludentes! Temos sim que nos preocupar com animais. Nosso dever é estender ao máximo as políticas públicas para qualificar a cidadania e melhorar a vida da população”.


Bicho Amigo: prefeito e Primeira-Dama ressaltam compaixão com os animais

Em seu discurso a primeira-dama, responsável pela Comppad, citou a frase do filósofo alemão Arthur Schopenhauer: “A compaixão pelos animais está intimamente ligada à bondade de caráter, e quem é cruel com os animais não pode ser um bom homem". De acordo com Regina, esse segundo ônibus fará apenas o transporte dos animais até a clínica licitada para castrar 3.072 animais das vilas Dique, Nazaré e Chocolatão. O primeiro, doado pela ATP, possui duas unidades de castração, e será coordenado através da parceria firmada entre a Comppad e a Faculdade de Medicina Veterinária da UFRGS.

Regina ressaltou que inúmeros trabalhos estão sendo realizados para qualificar as políticas públicas voltadas para animais domésticos. Para ela, a coordenadoria está ancorada em três eixos principais: saúde pública; educação para acabar com aus tratos e abandono dos animais, trabalho que vem sendo realizado em parceria com a Secretaria Municipal de Educação e solidariedade. Entre outras projetos da Compadd estão a criação da Secretaria Especial dos Direitos dos Animais.

O evento integra a programação da Semana de Porto Alegre, alusiva aos 239 anos da cidade. A unidade móvel que foi grafitado pelo artista Leopold Kunrath ficará exposta ao público até esta quarta-feira, 23, das 9h às 17h.

Comppad - A Coordenadoria Multidisciplinar de Políticas Públicas para Animais Domésticos está ligada ao Gabinete da Primeira-Dama. Atua na observação e promoção do bem-estar animal, educando e valorizando ações de guarda responsável e contra os maus tratos.



quarta-feira, 23 de março de 2011

Como surgiu a Mafalda???


Mafalda foi uma tira escrita e desenhada pelo cartunista argentino Quino. As histórias, apresentando uma menina (Mafalda) preocupada com a Humanidade e a paz mundial que se rebela com o estado atual do mundo, apareceram de 1964 a 1973, usufruindo de uma altíssima popularidade na América Latina e Europa.

Mafalda foi muitas vezes comparada ao personagem Charlie Brown, de Charles Schulz, principalmente por Umberto Eco em 1968.

É uma menina de seis anos de idade, que odeia sopa e adora os Beatles e o desenho Pica-Pau. Ela se comporta como uma típica menina na sua idade, mas tem uma visão aguda da vida e vive questionando o mundo à sua volta, principalmente o contexto dos anos 60 em que se encontra. Tem uma visão mais humanista e aguçada do mundo em comparação com os outros personagens.

História

A personagem, cujo nome foi inspirado pela novela Dar la cara, de David Viñas, e alguns outros, foi criada em 1962 para um cartoon de propaganda que deveria ser publicado no diário Clarín. No entanto, Clarín rompeu o contrato e a campanha foi cancelada.
Mafalda somente se tornou um cartoon de verdade sob a sugestão de Julián Delgado, na época o editor-chefe do hebdomadário Primera Plana e amigo de Quino. Foi publicado no jornal de 29 de Setembro de 1964, apresentando somente as personagens de Mafalda e seus pais, e acrescentando Filipe em Janeiro de 1965. Uma disputa legal surgiu em Março de 1965, e assim a publicação acabou em 9 de Março de 1965.

Uma semana mais tarde, dia 15 de Março de 1965, Mafalda começou a aparecer diariamente no Mundo de Buenos Aires, permitindo ao autor cobrir eventos correntes mais detalhadamente. As personagens Manolito e Susanita foram criadas nas semanas seguintes, e a mamãe de Mafalda estava grávida quando o jornal faliu em 22 de Dezembro de 1967.

A publicação recomeçou seis meses mais tarde, em 2 de Junho de 1968, no hebdomadário Siete Días Illustrados. Como os quadrinhos tinham que ser entregues duas semanas antes da publicação, Quino era incapaz de comentar as notícias mais recentes. Ele decidiu acabar com a publicação das histórias em 25 de Junho de 1973.
Desde então, Quino ainda desenhou Mafalda algumas poucas vezes, principalmente para promover campanhas sobre os Direitos Humanos. Por exemplo, em 1976 ele fez um pôster para a UNICEF ilustrando a Declaração Universal dos Direitos da Criança.


Curiosidade: Na Cidade de Buenos Aires existe uma praça chamada Mafalda